2019 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA LIDERANÇA INTEGRAL 

ENDEREÇO: Rua Afonso de Carvalho, 59 - Vila Madalena. São Paulo / SP.

FONE: (011) 99131-7986 | CONTATO@LIDERANCAINTEGRAL.COM | ROBERTO@LIDERANCAINTEGRAL.COM

Criado por MECOMUNICA @mecomunica.mkt ou contato@m3comunica.com

  • Facebook Fanpage
  • Linkedin
  • Youtube Liderança Integral

As vantagens e desvantagens de ser exigente no ambiente profissional.


Na minha percepção, a maioria das pessoas carrega dentro de si um lado exigente...bastante exigente! Acreditamos que para alcançar nossos objetivos e crescer profissionalmente (ou pelo menos não regredir), ser exigente consigo mesmo e com os outros parece ser uma característica da qual não podemos abrir mão. Ser exigente parece ser uma questão de sobrevivência.

Mas será mesmo? Qual o nível de exigência que é realmente necessário? Qual é a medida certa? Acredito que esta é uma pergunta muito importante, mas que poucos conseguem responder. Por quê? Acredito que a razão é que em grande parte a nossa identidade – nosso jeito de ser e perceber a nós mesmos – está conectada a esta característica. Por isso nem passa pela nossa cabeça que temos a opção de gerenciá-la e utilizá-la a nosso favor, ou mesmo investigar se ela é realmente necessária.

Para poder monitorar e gerenciar o lado crítico ou exigente – aquela voz que diz que você poderia ser ou ter feito melhor -, o primeiro passo é ganhar consciência de como esta parte funciona dentro de nós. Para aumentar a sua consciência, pergunte-se:

1. Qual o seu nível de exigência? Como você sabe que ele é adequado para as situações que você está enfrentando?

2. Em que situações e diante de que pessoas ela aumenta (ou diminui)? Quais as causas desta variação?

3. Quais são os benefícios de ter uma exigência alta? Faça uma lista. Agora, para cada afirmação se pergunte: Isso é uma verdade? Posso ter absoluta certeza de que esta afirmação é verdadeira?

4. Qual o preço que você paga por ter uma exigência alta? Faça uma lista e compartilhe com uma pessoa próxima;

5. Até que ponto você consegue monitorar e, consequentemente, gerenciar o seu nível de exigência de acordo com cada situação? É você que domina o nível de exigência ou é a exigência que domina o seu comportamento?

6. O que acredita que pode acontecer se você for capaz de diminuir o seu nível de exigência? Surge algum tipo de receio ou medo? Este são reais ou criados pela sua própria mente? Como você sabe?

7. Qual o impacto do seu nível de exigência na relação com as outras pessoas? Ele aumenta ou diminui a confiança e transparência? Aumenta ou diminui os resultados que você e sua equipe podem alcançar?

Ao responder a estas perguntas você estará dando um grande passo para gerenciar a sua parte exigente e, consequentemente, a ansiedade e o estresse que estão associados a ela. Mas além de responder a estas perguntas de forma honesta, é importante compartilhá-las com pelo menos uma pessoa próxima com quem você tenha uma relação de confiança, pois nem sempre temos uma avaliação objetiva de como funcionamos e nos comportamos.

Voltando a pergunta inicial – ser exigente é bom? Isso depende de sua capacidade de gerenciar esta atitude ou comportamento ou ser dominado por ele. Lembre-se - o que você não conhece sobre si mesmo tem o poder de te limitar ou destruir; já o que conhece pode tornar-se uma ferramenta fundamental para a sua evolução.


Roberto Ziemer