Diversidade é um fato, inclusão é uma escolha

por Timothy R. Clark


Diversidade é uma questão de constituição e composição. Inclusão é uma questão de crença e comportamento. A diversidade não beneficia ninguém, a menos que possamos liberar seu poder; simplesmente juntar pessoas diversas não aciona seu potencial criativo. Inclusão faz isso. Inclusão libera talentos e ativa um sistema cooperativo para alcançar esse talento. Sem inclusão nós nos tornamos lentos, limitados e fragmentados. No entanto, muitas organizações declaram vitória depois de se tornarem mais diversas. É uma celebração prematura e sem avaliação crítica. Tornar-se mais diversificado é apenas o primeiro passo de uma transformação em duas etapas. Diversidade e Inovação Volte 25 anos atrás e pergunte a um executivo corporativo se ele ou ela acredita que a diversidade é uma fonte de vantagem competitiva. Você provavelmente receberia um olhar confuso. Se os líderes naquela época realmente acreditassem no poder da diversidade, as corporações teriam se esforçado para diversificar seu quadro de funcionários. Mas não foi isto que aconteceu. Em vez disso, vimos corporações apegadas ao status quo, resistindo aos esforços para interromper a afinidade natural que nasce de grupos altamente homogeneizados. O padrão há muito estabelecido, como apontou o historiador Yuval Noah Harari, é que os líderes "se tranquem dentro de uma câmara de eco de amigos com mentalidade semelhante". Desde então, o período médio da vantagem competitiva ficou mais curto, forçando- nos a reavaliar nossas suposições sobre competitividade e a natureza da inovação. Em um mundo implacável e hipercompetitivo, a inovação é responsabilidade de todos. Mesmo os líderes da velha escola que foram socializados em um tempo e lugar diferentes são obrigados a reconhecer — às vezes de forma ressentida — que a diversidade é crucial para a inovação. Na verdade, quanto mais competitiva é a indústria, mais a falta de diversidade pode ameaçar a viabilidade de uma organização. Na maioria dos ambientes da América corporativa, e em muitas outras partes do mundo, agora podemos responder a essa pergunta através de pesquisas empíricas. Acadeia causal pode ser descrita: a diversidade — ativada pela inclusão — leva ao pensamento divergente, o que leva à inovação, o que leva a uma vantagem competitiva. Se você privar sua organização de capital humano demográfica e psicograficamente diverso, você reforça um status quo calcificado. Você pode morrer de feridas auto- infligidas porque você se tornou isolado, enclausurado e voluntariamente cego. O que você precisa é de um grupo de pessoas diversas animadas para explorar, monitorar a periferia e estender o campo de visão. A diversidade oferece valor potencial. A questão é se você pode ativá-lo e passar de valor potencial para valor realizado.

Ativando a diversidade com inclusão Steve Jobs observou: "Criatividade é apenas conectar as coisas." Vamos corrigir essa afirmação para dizer: Inovação é o processo de pessoas conectadas conectando coisas. Sabemos que simplesmente juntar um bando de virtuosos não cria automaticamente uma bela música. Eles devem aprender a tocar juntos. Precisamos de pessoas fazendo conexões novas, estranhas e não óbvias. Às vezes você vai ver algo que os outros não conseguem. Às vezes os outros verão algo que você não consegue. A questão é se as pessoas se sentem incluídas para poderem falar, compartilhar, discutir e desafiar. Quando a inclusão ativa a diversidade, não espere ver algo espetacular. Você está vendo as pessoas falarem, interagirem, discutirem e debaterem. Mas é através dessadissidência construtiva, desta fricção criativa e tolerância à franqueza que as equipes desenvolvem uma potência em sua colaboração que leva a novas descobertas. Quando se trata de inovação, a inclusão governa a velocidade das descobertas. Ela retira o gargalo da organização para liberar seu potencial inovador. Removendo Preconceitos e Comportamento Excludente Na medida em que converso com executivos e profissionais de Diversidade & Inclusão, fica claro que muitas organizações tiveram ganhos extraordinários ao mudar a composição e constituição de suas forças de trabalho. Elas estão, em muitos casos, muito mais diversas do que antes. Agora elas enfrentam o desafio mais assustador de criar um ambiente profundamente inclusivo, o que significa erradicar os preconceitos e o comportamento excludente. Vamos primeiro reconhecer que o preconceito e o comportamento excludente existem em dois níveis: pessoal e institucional. O preconceito no nível pessoal é o resultado da socialização adquirida. O preconceito no nível institucional é resultado da socialização adquirida e então traduzida e incorporada às políticas, procedimentos, sistemas e processos. A remoção do preconceito institucional é uma questão de vontade institucional. Significa que você está comprometido com a auditoria de políticas e procedimentos, identificação de preconceitos institucionais e a sua eliminação. Por exemplo, falei recentemente com executivos de uma organização de manufatura que reconheceram que não estavam promovendo muitas mulheres para a gestão emdeterminadas áreas de produção. Eles imediatamente mudaram o perfil de contratação, critérios de seleção e processo de recrutamento. A organização tinha finalmente ultrapassado um limiar de convicção sobre a remoção dos preconceitos institucionais. Como resultado, eles removeram em 30 dias um preconceito que existia há 30 anos. Ok, mas como lidar com preconceitos pessoais persistentes nos corações e mentes dos funcionários? A verdadeira transformação cultural que conduz a um santuário de inclusão ocorre quando preconceitos institucionais e pessoais são substituídos por políticas e normas comportamentais inclusivas ao mesmo tempo. Os líderes devem depurar as novas políticas e modelos de comportamento e reforçar as novas normas.

Para as organizações que investem em iniciativas de Diversidade & Inclusão, não levantem os braços da vitória por terem alcançado a diversidade. Diversidade é uma estação de passagem e não o destino final. É o primeiro passo de um processo de duas etapas. A inclusão é o segundo passo que liberará o valor potencial da diversidade que muitas vezes está adormecido. Uma vez que a empresa e os indivíduos dentro dela se comprometem tanto com a diversidade quanto a inclusão, tudo muda. Preparem-se para serem transformados!